28.5.12

Gravura, por que gravura? por Lucie Schreiner

Lucie Schreiner

GRAVURA, POR QUE GRAVURA?

A xilogravura pra mim vai além de entalhes na madeira e impressão no papel. É através dela que consigo expressar muitas de minhas inquietações. Gosto de todas as técnicas e formas de arte, mas a que me possibilitou a melhor sensação foi a xilogravura, ela me dá asas para voar dentro e fora de mim.
Quando finalizo uma xilo, é como tivesse quebrado um cadeado dento de mim, essa é a sensação, de libertação da alma, de pensamento e sentimento.

QUEM FORAM SEUS MESTRES, ONDE ESTUDOU? CONTE SUA TRAJETÓRIA.
Meu primeiro contato com a xilogravura foi na Usina de Arte João Donato, em Rio Branco, Acre. A primeira oficina foi com Josafá de Orós e em seguida com André de Miranda, que se tornou meu maior incentivador e mestre. Em sua oficina percebi o quanto a gravura era importante para minha vida.
Não deu 2 meses eu estava com a série Filhos da Terra pronta para ser exposta. Comecei a pensar e sonhar xilo.
Após a exposição realizada, senti mais segurança para participar de salões e mostras. Conquistei algumas premiações e participações por seleção no Acre e fora dele.
Tenho muito a aprender e um longo caminho para crescer e amadurecer na gravura.

FALE UM POUCO DE SUA TÉCNICA.
Não me prendo muito a regras apesar de usá-las, gosto muito de deixar minhas emoções fluírem por meio do corte das goivas. Não deixo nada programado no desenho ou no projeto. Essa forma me dá a sensação de liberdade.
Minhas xilos apresentam muitas texturas, e através delas que tento passar sensações de movimento e expressão.

O QUE PENSAS DA GRAVURA HOJE?
A gravura da atualidade é uma forma de expressão artística autônoma, liberta da funcionalização que a amarrou por séculos. No processo atual a gravura se torna livre para dialogar com outras formas de linguagem artística, pintura, fotografia, recorte...
A gravura hoje é um campo aberto com inúmeras possibilidades de dignificar gestos diretos e ações indiretas, articulando a matéria em suas diferentes materialidades.
Observo que a gravura não é dominante na arte do nosso século, vejo que há poucas pessoas que conhecem a grandeza dessa técnica. Porém, por mais que existam desafios, a gravura preserva seu espaço e surge de tempos em tempos, mostrando sua força e atualidade.

ACRENCENTE ALGO QUE GOSTARIA DE DIZER.
Acredito na força de transformação de um pensamento até mesmo de uma nação por meio da arte, seja ela representada por meio da gravura, das artes plásticas em geral, no teatro, no cinema, na dança, na música.
De acordo com o filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900) "a arte existe para que a realidade não nos destrua"; Nietzsche acreditava que somente a arte poderia oferecer aos homens força e capacidade para enfrentar as dores da vida, fazendo-os "dizer sim" a ela.
Porém, a arte vai além da diversão, ela provoca inquietações, nos educa, nos faz refletir sobre a vida, sobre a realidade e o imaginário, provoca consideravelmente nossa inteligência, memória e imaginação, afetando nosso corpo como um todo.

"Alagação" - xilogravura - 2010 - 29,7 x 42 cm


 
"Canavial " - xilogravura - 2009 - 15 x 20 cm


 
"Mistérios da Vida" - xilogravura - 2011 - 15 x 20cm





Lucie Schreiner (1981) nasceu em Marechal Cândido Rondon, Paraná, onde vive e trabalha.


Formação (De 2007 á 2009) Curso de Artes Plásticas na Usina de Arte João Donato, Rio Branco Acre.
Exposição individual: Xilogravura - Filhos da Terra – Galeria Juvenal Antunes, Rio Branco - Acre, 2009.
Exposições coletivas: "Percurso" - Galeria Chico da Silva da Usina de Arte, Rio Branco, Acre, 2010.
"Sentindo o Sete" - Galeria Juvenal Antunes, Rio Branco,  Acre, 2008.
"Pinturas Paisagens e Máquinas" - Usina de Arte João Donato, Rio Branco, Acre, 2008; SESC em 2009.
"Pinturas Retratos Reais e Imaginários" - Galeria Chico da Silva da Usina de Arte João Donato, 2008.
"Memórias - Galeria Chico da Silva da Usina de Arte João Donato, 2008 e no SEBRAE.
1º Salão dos novos de Artes Plásticas, realizado de 08 a 28 de Janeiro de 2008; premiação Salão Hélio Mello, na categoria Gravura, 2010 – Rio Branco, Acre; Primeiro lugar As Cores da Cidade, 2010 - Rio Branco, Acre - obra “Alagação” ; 5ª Bienal da Gravura em Santo André, SP – 2010 - obra “Canavial”.
Xilos executadas na Usina de Arte João Donato - Rio Branco – Acre, para peça teatral adaptada do romance de José Saramago - LEVANTADO DO CHÃO pelo dramaturgo Juarez Dias, direção de Cida Falabella. (Xilos realizadas por mim e pelos alunos de Artes Plásticos e pelo Mestre André de Miranda).
19ª Mostra Cascavelense de Artes Plásticas em 2011; Medalha de bronze na 1ª Mostra Taubateana de Gravura 2011 - Taubaté-SP.

contato com a artista: lucie_schreiner@yahoo.com.br

Nenhum comentário: